quarta-feira, 4 de junho de 2008

Ditos Populares

Gente, ja faz um tempão que nao escrevo no blog. Hoje eu vim aqui para tirar as traças e as teias de aranha. Não vamos ficar sem nada, vai um pouco de cultura inutil. Voltarei a escrever, antes que a galera desista de vez de entrar aqui.
beijos a todos!!

"FEITO NAS COXAS"As primeiras telhas dos telhados nas casas aqui no Brasil eram feitas de argila, que eram moldadas nas coxas dos escravos que vieram da África. Como os escravos variavam de tamanho e porte físico, as telhas ficavam todas desiguais devido aos diferentes tipos de coxas. Daí então a expressão “feito nas coxas”, ou seja, de qualquer jeito...

"VOTO DE MINERVA"Orestes, filho de Clitemnestra (?) foi acusado pelo assassinato de sua mãe... No julgamento, houve empate entre os jurados... Coube então à Deusa Minerva, o voto decisivo que foi a favor do réu. Daí então a expressão “voto de minerva”, o voto decisivo.

"CASA DA MÃE JOANA"Na época do Brasil Império, mais especificamente durante a menoridade de D.Pedro II, os homens que realmente mandavam no país, costumavam se encontrar em um prostíbulo do Rio de Janeiro, cuja proprietária chamava-se Joana (assim como, mais atual, a casa da ENY, da cidade de Bauru). Como estes homens mandavam e desmandavam no país, a frase “casa da mãe Joana”, ficou conhecida como sinônimo de lugar onde ninguém manda (qualquer casualidade NÃO é mera coincidência...).

"CONTO DO VIGÁRIO"Duas igrejas de Ouro Preto (MG) receberam uma imagem de Santa, como presente... Para decidir qual das duas ficaria com a escultura, os vigários contariam com a ajuda de Deus, ou melhor, de um burro. O negócio era o seguinte: colocariam o burro entre as duas paróquias e o animalzinho teria que caminhar até uma delas. A escolhida pelo quadrúpede, ficaria com a Santa... E foi o que aconteceu, só que, mais tarde, descobriram que um dos vigários havia treinado o burro para se dirigir à sua paróquia... Assim, o “conto do vigário” passou a ser sinônimo de falcatrua e malandragem.

"FICAR A VER NAVIOS"Dom Sebastião, rei de Portugal, havia morrido na batalha de Alcácer-Quibir, mas seu corpo nunca foi encontrado... Por este motivo, o povo português se recusava a acreditar na morte do Monarca. Era comum as pessoas visitarem o Alto de Santa Catarina, em Lisboa, para esperar pelo Rei... Como ele não voltava, o povo ficava “a ver navios”... Ou seja, o que esperavam nunca se concretizava.

"NÃO ENTENDO PATAVINA"Os portugueses encontravam uma enorme dificuldade em entender o que falavam os frades italianos patavinos, originários de Pádua ou Padova. Sendo assim, “não entender patavina” significa não entender nada.

"DOURAR A PÍLULA"Antigamente as farmácias, embrulhavam as pílulas em papel dourado para melhorar o aspecto do remedinho amargo. Portanto a expressão “dourar a pílula” significa melhorar a aparência de algo...

"SEM EIRA NEM BEIRA"Os telhados de antigamente possuíam eira e beira, detalhes que davam "status", ao dono do imóvel... Possuir eira e beira nos telhados era sinal de riqueza e cultura... Não ter “eira nem beira” significava que a pessoa era pobre e inculta...

"O CANTO DO CISNE"Dizia-se que o cisne, emitia um belíssimo canto pouco antes de morrer. A expressão “canto do cisne” representa então as últimas realizações de alguém antes de morrer...


ALGUMAS VERSÕES DE DITOS POPULARES:

correto: “Batatinha quando nasce, espalha a rama pelo chão...”
errado: “Batatinha quando nasce, esparrama pelo chão...”

correto: “Corro de burro, quando foge...”
errado: “Cor de burro quando foge...”

correto: “Quem tem boca, vaia Roma...”
errado: “Quem tem boca, vai a Roma...”


correto: “É a cara do pai, em carrara, esculpido”
errado: “É a cara do pai, escarrado e cuspido”


correto: “Quem não tem cão, caça como gato...” (ou seja, sozinho)
errado: “Quem não tem cão, caça com gato...”

Um comentário:

Solange disse...

Sabe o que mais adoro?
Essas coisas (in)úteis ..., e é verdade, não estou com sarcasmo ...
Porque são inutilidades das quais, algumas vezes nos vemos a perguntar como surgiu isto ou aquilo ...
Daí porque eu não acho tão inútil, como alguns pensam, porque tais acepções vieram do povo e assim devem ser preservados...